A história Presente

A história Presente
História na veia

Seguidores

quarta-feira, 25 de junho de 2014

Freguesias de Salvador

Para  ouvir  a  música, aperte  o  play. To listen to music, press play.  Para escuchar a jugar prensa musical. Um Musik zu hören, drücken Sie spielen. Pour écouter jouer de la musique de presse. Per ascoltare la musica, premere play.

" Algumas pessoas perdem a fé porque o céu lhe mostra tão pouco. Mas quantas pessoas a perdem porque o céu lhes mostra demais?"


A freguesia da Sé ou São Salvador é o primitivo núcleo da antiga da antiga cidade do Salvador começava a freguesia da Sé nas portas de São Bento, estendendo-se até o beco do Ferrão, onde se delimitava com a freguesia do Passo. Nessa florescente freguesia, figuravam a igreja de São Pedro dos Clérigos, o templo da Sé Catedral, fazendo frente para o mar, a Santa Casa da Misericórdia, o convento de São Francisco a Ordem 3ª de São Francisco e de Santa Isabel, a capela de São Miguel, a igreja de Nossa Senhora da Ajuda, a ordem 3ª de São Domingos, a igreja dos antigos padres da Companhia de Jesus. A freguesia da Sé foi criada por D. Pero Fernandes Sardinha. Em 1552.
A freguesia de Nossa Senhora da Vitória teve seu início no bispado de D. Pero Fernandes Sardinha, em 1561, era afastada do centro da cidade, foi entretanto, nesse local que surgiu o primeiro núcleo de povoadores; ali se estabeleceram Diogo Álvares e depois, Francisco Pereira Coutinho. Estavam nos seus limites os últimos vestígios da Vila Velha, fundada pelo donatário da Capitania, e as casas dos descendentes do Caramuru, dividia-se de Brotas, no Rio Vermelho, em extensão, ia seguindo a beira mar e subindo a colina, chegando até São Pedro, nas Mercês, no convento das Ursulinas, e até as Pedreiras, dividindo-se da Conceição da Praia.
A freguesia da Nossa Senhora da Conceição da Praia, localizada também a beira-mar, possuía um quinto de légua. de um lado, limitava-se com o Pilar, do outro com São Pedro e Vitória; fora criada pelo bispo D. Marcos Teixeira, em 1623. Sua Largura do mar para a terra era muito diferente em muitos lugares, e em nenhuma excedia a 50 braças, dividia-se de São Pedro pela ladeira da Preguiça e por uma pracinha no fim das Pedreiras; da freguesia da Sé, pelas ladeiras da Misericórdia e do palácio; da Vitória nas Pedreiras, e do Pilar pela Praça do Comércio. Nessa freguesia da Conceição da Praia estavam contidos os quartéis, a Fortaleza do Mar, o Tribunal do Comércio, a Alfândega, a Mesa do Consulado e trapiches. Tinha duas capelas: a de Santa Barbara e a de São Pedro Gonçalves, mais conhecida como do Campo Santo.





A freguesia de São Pedro Velho foi criada pelo arcebispo D. Gaspar Barata de Mendonça, em 1679. Conforme nota de um pároco do século XIX, limitava-se a freguesia referida, extra muros, com o curato da Sé pelas portas de São Bento, e nas Hortas; com a Vitória nas Mercês e nas Pedreiras próximas ao Unhão; com Santana nos locais citados, com a Conceição da Praia pelo principio das Ladeiras Preguiça, e da Conceição, e em uma pracinha próxima às Pedreiras. A igreja matriz de São Pedro Velho ficava no largo de São Pedro, apenas um alargamento da rua do mesmo nome.
A freguesia de Santo Antônio Além do Carmo fora criada pelo bispo D. Pedro da Silva Sampaio, em 1646, sendo uma das maiores em extensão, e, estando dividida em dois distritos: o urbano e o rural. Seus limites eram complexos e definidos pela freguesia rural de São Bartolomeu de Pirajá, pela freguesia de Nossa Senhora de Brotas, a do Passo, a do Pilar, a de Santana e a de Itapoã. Em 1863 tinha em sua estrutura três praças, um largo, dezessete ruas, uma travessa, sete becos, nove ladeiras e um campo. Porém, o fato mais relevante desta freguesia é o de que, o grosso da classe média de Salvador ai habitava, destacando-se os pequenos negociantes, os alfaiates, os empregados públicos, e alguns poucos afortunados como a Família Bandeira.
A freguesia de Santana do Sacramento, antiga freguesia do Desterro, foi criada por alvará da Mesa de Consciência e Ordens no governo do arcebispo D. Gaspar Barata de Mendonça, em 20 de julho de 1679. Dividia-se das freguesias de Santo Antonio Além do Carmo, Sé e Passo pelos limites já citados, de São Pedro na ladeira das Hortas e no quartel da Polícia, no largo da Lapa e no Castanheda; da freguesia de Brotas no Dique do Tororó. Nela existiam dois bairros: o da Palma, com as Capelas de Nossa Senhora do Rosário do Regimento Velho, e Santo Antonio da Mouraria, o bairro da Saúde. A matriz de Nossa Senhora de Santana, vizinha do Convento do Desterro, foi construída no século XVIII.

A freguesia do Santíssimo Sacramento da Rua do Passo, como a freguesia da Rua do Passo foi desmembrada da Sé, em 1718, pelo Arcebispo D. Sebastião Monteiro da Vide, tendo interinamente como matriz a igreja Nossa Senhora do Rosário dos Pretos. Era a menor freguesia da cidade. Seus limites foram controvertidos, em 1861, quando se pretendeu, por motivos que finalmente se identificaram como eleitoreiros, um aumento razoável de sua extensão. Anteriores a essa demanda, eram seus limites no século XIX: com a freguesia de Santana, unia-se pela ladeira do Alvo; limitava-se com a freguesia do Pilar pela ladeira das fontes das Pedras; com a da Sé pelo beco do Ferrão; com Santo Antonio Além do Carmo na rua da Vala e nos Guimarães dos Padres do Carmo. Com a freguesia da Conceição da Praia no Taboão. A repulsa do arcebispo, baseado em informações dos párocos das freguesias limítrofes ao Passo, impediu que o projeto que pretendia aumentá-la se tornasse lei, o que daria a essa freguesia um aumento de 352 casas, perdendo a Sé 27, Santo Antonio 184, e Santana 141. O território da freguesia do Passo foi aumentando em 1882.

A freguesia de Nossa Senhora de Brotas foi criada pelo arcebispo D. Sebastião Monteiro de Vide, em 1718, sendo a seguinte sua demarcação extrema com outras freguesias, no século XIX: com Santo Antonio Além do Carmo pela Estrada Nova, começando pela roça do comendador Barros Reis, vindo até a Fonte Nova, no Dique, onde fazia diferentes limites com Santana e São Pedro. Daí pela Estrada Dois de Julho, seguia até a ponta da Mariquita, de onde se espraiava costeando a lagoa da Pituba, até Armação e o rio das Pedras, quando se dividia com a freguesia de Itapuã, suburbana da cidade. Limitava-se com a Vitória na Mariquita. A freguesia de Brotas era das mais despovoadas, encontrando-se pequenos núcleos de população ale do local onde estava erguida a sua matriz, como os da Pituba, das Armações do Gregório. Além da matriz de Nossa Senhora de Brotas, contava a freguesia na sua demarcação com a capela do Senhor dos Milagres, no Largo Paranhos, e a capela dos Mares, na fazenda Lagoa, de Domínio particular.

A freguesia do Santíssimo Sacramento do Pilar situava-se a beira-mar, dividindo-se da Conceição da Praia no cais do Sodré e Praça do Comércio; da do Passo na ladeira do Taboão, e pelo meio da ladeira do Caminho Novo; da freguesia de Santo Antonio Além do Carmo pelo meio das ladeiras de Água Brusca, Soledade e São Francisco de Paula; da freguesia da Penha por trás do barracão da Estrada de Ferro, seguindo pela Rua da Vala até o Engenho da Conceição, voltando à Rua do Bom Gosto. A freguesia do Pilar, desmembrada em parte da Conceição da Praia, fora criada, em 1720, pelo Arcebispo D. Sebastião Monteiro da Vide. Seguia pela Rua Direita, até chegar a altura do Guindaste dos Padres de Nossa Senhora do Carmo; daí se dividindo, de um lado para a praia até a igrejinha de Nossa Senhora de Monte Serrat, dos religiosos de São Bento.

Nossa Senhora da Penha
A Penha, em Itapagipe, foi elevada à categoria de freguesia de Nossa Senhora da Penha, depois das outras nove, pelo Arcebispo D. José Botelho de Matos, em 1760. Mostrara mesmo o Arcebispo uma certa preferência a este local bastante longe do centro, onde havia, em 1745, lançado a primeira pedra da igreja do Bonfim. Ali estava também localizada a residência de verão do Arcebispo, onde D. José Botelho de Matos fora recolher-se quando praticamente destituído de suas funções arquiepiscopais, pelo apoio discreto que dera aos padres da Companhia de Jesus, expulsos do Brasil. As ordens do Marquês de Pombal, apoiadas, em parte, pela Igreja de Roma, transformaram a residência de verão em refugio do arcebispo deposto, que ali morreu, e foi inumado na capela-mor da igreja da Penha.


Senhor leitor, todas as imagens foram retiradas do site de pesquisa Google, não se sinta ofendido se por ventura, uma das imagens postadas for sua, a intenção do blog é ilustrar didaticamente os textos e não plagiar as imagens. Obrigado pela compreensão.

3 comentários:

  1. Olá, tudo bem? Estou no final da graduação e preciso de mapas de Salvador que mostrem a localização das freguesias. Você sabe onde posso encontrar isso?

    ResponderExcluir
  2. Olá amigo, bom dia, estou terminando meu TCC, sobre a epidemia de cólera em Salvador/1855, e suas pesquisas sobre as freguesias foram úteis nas pesquisas. Grato

    ResponderExcluir
  3. Obrigado pelo comentário caro leitor, e espero que ajudem não só a você, mas a todos os interessados em nossa linda história. Boa sorte no seu Tcc. Abraço.

    ResponderExcluir