A história Presente

A história Presente
História na veia

Seguidores

sexta-feira, 4 de junho de 2010

Revolução Francesa

Para ouvir a musica, aperte o play.




"A sabedoria de um tolo é o silêncio, assim como é também a tolice de um sábio"
Romulo Mattos


REVOLUÇÃO FRANCESA

A França Pré Revolucionária

Social
Política: absolutista
Econômica: a principal atividade econômica era a agricultura e a indústria era incipiente, ainda estava em seu começo.


Sociedade Estamental

1° Estado: Alto e Baixo Clero
2° Estado: Nobreza - Cortezã, Togada e Provincial
3° Estado: Alta, Média e Baixa Burguesia.

Estado: Clero Alto: bispos e cardeais.
Clero Baixo: padres e vigários.

Estado: Nobreza Cortezã: eram os nobres legítimos.
Nobreza Togada: era a alta burguesia que comprava títulos de nobreza.
Nobreza Provincial:eram os nobres em decadência.

Estado: Burguesia Alta: eram os financistas: banqueiros, empresários, industriais.
Burguesia Média : eram os profissionais liberais.
Burguesia Baixa: eram os “Sans-cullotes” e camponeses.


As Causas da Revolução Francesa

► Desigualdade social.
► Influencia das idéias iluministas e da Revolução Americana.
► Incompetência administrativa dos Bourbons.
► Crises econômicas provocadas pelos acordos assinados em condições vantajosas com a Inglaterra.


1ª Fase: Revolução Aristocrática

Os ministros de finanças:

Turgot - foi um economista francês cuja obra é considerada um elo entre a fisiocracia e a escola britânica, estudou na Universidade de Sorbonne e foi trabalhar na administração real. Aplicou com grande sucesso uma série de medidas destinadas à racionalizar a economia, defendeu o livre comércio e a interdepêndencia entre as diferentes classes econômicas. Fez reformas onde aboliu as taxas aos camponeses tinham que pagar para trabalhar, as classes privilegidas para derrubá-lo, tramaram forjar cartas contra a rainha Maria Antonieta, foi dispensado do cargo em 12 de maio de 1776; suas idéias sobreviveram e aprovaram as posteriores bases para as teorias economias.



Brienne - foi um político e um dos ministros das finanças do Rei Luis XVI na França, Em 1787 ele foi nomeado como presidente da Assembléia dos Notáveis, no qual a capacidade que ele atacou a política fiscal de Calonne, a quem sucedeu como chefe das finanças em 1° de maio de 1787. Uma vez no poder, ele conseguiu fazer o registo de parlemento editais referentes ao comércio interno livre, a criação de assembléias provinciais e do resgate da corvéia; Para esmagar a oposição a essas medidas, ele persuadiu o rei para o exílio o parlamento de Troyes. A luta do parlamento contra a incapacidade de Brienne terminou em 8 de maio em seu consentimento para um edital para a sua própria abolição, com a ressalva de que os Estados-geral devem ser convocados a sanar as perturbações do estado. Ele renunciou ao cargo de ministro das Finanças, em 25 de agosto de 1788.


Calonne - foi um estadista francês e o controlador geral das finanças do Estado, durante o reinado de Luís XVI, entre os anos de 1783 e 1787. Quando assumiu o cargo ele encontrou um déficit público de 600 milhões e não tinha idéia de como iria pagá-los. Confrontado com esse débito público e uma situação financeira que se deteriorava firmemente, Calonne adotou uma política da despesas para inspirar a confiança na posição financeira da nação. Propôs então, um imposto direto sobre as terras e a chamada aportação dos conjuntos provinciais, um imposto sobre o selo, e a redução de alguns privilégios dos nobres e do clero. Turgot e Jacques Necker já haviam tentado essas reformas, e Calonne atribuiu seu fracasso à má vontade dos parlamentares. Devido a isso ele convocou uma assembléia dos notáveis em janeiro de 1787. Para eles, ele expôs o déficit no tesouro, e propôs o estabelecimento de uma subvenção territorial, que deveria ser arrecadada em todas as propriedades sem distinção. Esta supressão de privilégios foi muito mau recebidae a assembléia recusou-se a considerar suas propostas, Luís XVI demitiu-o em 8 de abril de 1787, onde seria substituído por Étienne Charles Loménie de Brienne e exilado em Lorena.



Necker - foi economista e político suíço do século XVIII, e em três ocasiões responsável pela economia da monarquia francesa em 1776, 1788 e 1789. Dedica-se imediatamente às importantes reformas, mas menos radical e precipitado que Turgot, estas reformas abrangem os campos administrativo, social e financeiro. Em matéria financeira, Necker revoga a suspensão de pagamentos decretada por Brienne e se utiliza de expedientes para reunir 70 milhões necessários para assegurar os pagamentos até a reunião dos Estados Gerais. Na abertura destesm seu discurso concentrou-se nas questões financeiras quando os deputados eram mal acolhidos.Tomou severas medidas em relação à Assembléia Nacional, por causa disso, o Rei o demite em 11 de julho de 1789 devido a sua "condescendência extrema" com relação aos Estados Gerais. O ministro deixa imediatamente a França e chega a Bruxelas e depois a Bâle. Uma vez conhecida, esta dispensa é uma das causas determinantes para o levante popular de 14 de julho que culmina com a Queda da Bastilha.

Resumindo:
Turgot e Brienne elaboraram uma lei onde o 1° e 2° Estado deveriam pagar os impostos devidos, foram demitidos.
Calonne convocou uma assembléia dos Notórios (nobres que sofreram influências iluministas) afim de aprovar uma lei semelhante a de Turgot e Brienne, também foi demitido.
Necker convocou uma assembléia dos Estados Gerais (parlalmento) com a finalidade de aprovar uma lei onde o 3° Estado deveria assumir os impostos do 1° e o 2° Estado, estes se recusaram a pagar; nesta época surgiram problemas quanto a votação, mas o 3° Estado permaneceu reunido jurando dissolver-se quando apresentassem a França uma constituição (Assembléia Nacional Constituinte - 1791).


2ª Fase: Revolução Burgesa

A Tomada da Bastilha.
O grande medo.
A Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão.
A Constituição Civil do Clero.
A Constituição Francesa de 1791.


Principais Medidas

A Tomada da Bastilha

O símbolo máximo do poder absolutista cai nas mãos dos revoltos do dia . 14 de julho de 1789, dando inicio a Revolução Francesa.





O grande medo
Os revoltos passaram a queimar os cartórios e propriedades provocando a reação da aristocracia que se encarregou de espalhar boatos de que haviam contratado marginais para punir os revolucionários, dando inicio a um período de instabilidade chamado de grande medo. Foi um período no qual o campesinato francês toma conhecimento da Revolução Francesa, o que desencadeia uma série de ataques a castelos e saques a aldeias, muitos nobres fugiram de suas propriedades propiciando o fim dos resquícios feudais na França. Pode-se dizer que o Grande medo foi o periodo em que os jacobinos atacam o primeiro e segundo estado, causando uma grande revolta na sociedade e o temor por parte da alta burguesia.



A Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão.

Foi o principal documento burguês que introduziu a igualdade a todos perante a lei, aboliu os privilégios feudais e extinguiu a escravidão por dívida. sintetiza dezessete artigos e um preâmbulo dos ideais libertários e liberais da primeira fase da Revolução Francesa, pela primeira vez são proclamados as liberdades e os direitos fundamentais do Homem (ou do homem moderno, o homem segundo a burguesia) de forma ecumênica, visando abarcar toda a humanidade.



Principais Medidas:

Foi uma constituição promulgada: foi votada e aprovada por uma assembléia constituinte.
A forma de governo foi a monarquia constitucional.
Os poderes foram divididos em três: executivo, legislativo e judiciário.
O legislativo era exercido pelos Estados Gerais permanentemente convocados.


A Constituição Civil do Clero

Transformou os padres em funcionários civis e comuns do Estado e confiscou os bens da igreja a fim de garantir a emissão de moedas.

6 comentários:

  1. Adorei seu site, agora vou usa-lo sempre está me ajudando muito !Obrigada

    ResponderExcluir
  2. muito bom esse site. me ajuda muito nos trabalhos.. pretendo usar muitoo..

    ResponderExcluir
  3. Legal cara, espero que te ajude muito e aos teu colegas, aproveito ainda para lhe pedir que indique o blog para a galera.

    Um abc.

    ResponderExcluir
  4. Adorei o site!! Muito conteúdo bom e completo!! Pretendo voltar!!

    ResponderExcluir
  5. Excelente, muito bom o texto! Também, voltarei mais vezes e indicarei, pode deixar.

    ResponderExcluir
  6. Obrigado caro Alexandre, com esse tipo de retorno eu fico mais feliz e empolgado para editar cada vez mais os textos afim de esclarecer, informar e fazer com que mais eleitores como vc se satisfaçam com a leitura. Forte abc.

    ResponderExcluir